domingo, 17 de abril de 2011

Tique Taque Bang





Engraçado... este título, me lembra o capitulo de um livro (parado ¬¬) que uma versão mais ingênua minha escrevia em 2005. Texto legal. Logo mais termino ele.
Divaguei antes de começar, é um recorde.
Esta semana pela primeira vez senti a pressão de ter de escrever alguma coisa, tendo a suposta certeza que esta seria publicada. Isso é uma responsabilidade e tanto. Ainda mais por se tratar de um assunto tão complexo e interessante o qual escolhi. Este tal texto, não se trata de um conto ou poesia, mas, sim, de um artigo para uma revista. Não tenho certeza se utilizarão meu título, ou se o nome do tema já serviria a este propósito.
Bem, de qualquer jeito, o título seria: “Não Chorar as Ogivas Detonadas”.
Adoro trocadilhos capiciosos...
Divaguei de novo...
Voltando.
Já senti a pressão de lutar contra o relógio/calendário e tentar completar algo a tempo de submetê-lo a alguma antologia, ou concurso. Sim, sim. Mas, enfim, desta vez eu tinha “certeza” de sua publicação.
_______________
Faço questão de usar aspas em torno da certeza quanto a algo futuro, pois NADA é certo.
- A morte é certa Sr. Caneta...
E quem garante que exatamente agora não está sendo desenvolvido o soro da imortalidade? Pode estar sendo feito a partir de enzimas extraídas do sangue do Silvio Santos... Ou do Bira, talvez...
- Foco...
__________________
Um artigo publicado em uma revista é importante não só para mim que estaria divulgando meu nome e escrita, mas também para os interessados no tema abordado. “Interessados” ou “plenamente engajados” como foi o caso do escritor veterano e experiente qual trocou e-mails comigo do modo mais afável e atencioso que eu poderia esperar. Eu gostaria de ter o dobro de espaço, o triplo de números de caracteres (sem contar espaço, hein) para dar um trato mais minucioso às obras deste autor e de seus comparsas. Seu nome é Gerson Lodi-Ribeiro http://pt.wikipedia.org/wiki/Gerson_Lodi-Ribeiro , e garanto a vocês que as temáticas escolhidas por ele são extremamente interessantes. (Ele é o autor dos livros que se passam no universo daquele jogo nacional Taikodom, sabem?)



Dentro do espaço, fiz o que pude e espero não ter cometido uma grande gafe, ou injustiça, com os mencionados, ou não mencionados. Se tem uma coisa que aprendi já faz alguns anos é que o tempo voa quando escrevo, e que as páginas brancas costumam diminuir perante tudo o que tenho a dizer. E o ‘engraçado’ é que isso me faz pensar na importância dos prazos. Se eu tivesse um para terminar aquele meu livro iniciado em de 2005, provavelmente já estaria até publicado uma hora dessas.
Talvez eu estivesse morando em um chalé frio no alto das montanhas vivendo da escrita...

Divaguei... Mas foi por um bom motivo.

Abraço povo. o/
Uma semana pacifica pra todos vocês.
@Yvis_ Tomazini

P.s. - De qualquer jeito, logo mais, disponibilizarei aqui no blog o meio dos interessados adquirirem a revista.
P .s. 2 – Se você acompanha o blog (ou não) e não clicou no botão “seguir” eu agradeceria... Isto, porque algumas editoras só fecham parceria com blogs literários dependendo da quantidade de ‘seguidores’. Incrível como invariavelmente nos é cobrado popularidade, não é? Só pensei alto...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigado por contribuir com A Caneta Selvagem.
Isso significa muito.
Yvis Rissi Tomazini