sábado, 21 de abril de 2012

Tiquetaqueando sem titubear



“Certa vez, eu disse:
- Mas que droga, o tempo não tá passando.
E nesta certa vez, escutei de volta:
- Claro que está, cara... É você que não está vendo.”

Isso foi em 2006 em um escritório que eu estagiava na época. E embora tenha perdido contato com o sujeito que me retrucou de forma alheia e preguiçosa, jamais esqueci.

Tiquetaqueando sem titubear

Yvis Rissi Tomazini

O que é o tempo, senão uma entidade responsável em me estapear?
Me apontar, com suas mãos de ponteiros, tudo aquilo que não consegui até então. Aquilo que faz “aquilo” o que quero parecer grande demais pra caber dentro de uma vida só.
(É, Seu Tempo, tem que ver isso aí.)
Não o culpo.
Ele pelo menos faz o seu trabalho.
Inexorável e bem feito.
Tiquetaqueando por aí sem titubear.
Provando minha pequenez, provando tique por taque que sou falível.
Lutando avidamente contra minha tão nociva confiança.
Consolidando o fato de que não há fato sem feito. E que o dito não é fato.
Fato certo é que ele passa.
- Nada vai dar certo por si só. Faça algo...tique... faça... e faça AGORA...taque... velho Caneta!



O que é o tempo, senão um filtro?
Tão, mas tão, rigoroso que é capaz de capturar qualquer amizade ou sentimento descuidado.
É um filtro metódico e perigoso! Tudo isso e também incoerente...
Isto, pois quanto menor é o sentimento, maior sua chance de ser aprisionado e dragado pelo esquecimento e triturado pelas obrigações e... e...
Que seja.
Aquilo que é significante e real, que faz cada Tique valer a pena.
Que torna cada Taque válido como ele só.
“Aquilo” sobrevive ao tempo e me dá vontade de construir algo que dure.
Que perdure teimoso pela eternidade...


Abraços.
@Yvis_Tomazini